Chaves para paz interior

A paz é a mais elevada das virtudes. É o maior anseio de todos os seres. Para chegar a este estado de espírito é preciso abrir mão do controle é preciso ter fé e confiar na vida. Se você acha que tem problemas, você entrega ele a Deus ou ao universo. Entregue seus problemas a algo maior que você e confie que o mesmo será resolvido. Você nem sequer precisa mais pensar sobre isso e se concentra em viver a vida em harmonia, amor e união.

 

Muitas pessoas acreditam que serão felizes se tiverem algum objeto ou seus desejos atendidos, mas na verdade a verdadeira felicidade só pode ser alcançada com paz coração e na mente. Enquanto você acreditar que precisa conquistar algo para ser feliz ou estar em paz, você continuará a correr atrás das coisas sem nunca chegar a algum lugar que possa simplesmente ser.

Durante nossa trajetória de vida, e principalmente na infância, todos passamos por choques que normalmente se transformam em traumas e estes traumas, por sua vez, podem se transformar em “nãos “para vida.

Isso ocorre porque existem imagens congeladas em nosso sistema e comparamos constantemente as experiências da vida atual com as imagens do passado. Sem ter consciência disso em nosso dia a dia, estamos constantemente fugindo das situações desagradáveis, sem nem saber o por quê. Na verdade, muitas vezes estamos fugindo de traumas registrados em nosso inconsciente. Estamos fugindo de nossa “criança ferida”.

Trata-se de dores muito profundas e inconsciente, mas que exercem grande influência em nossas vidas.

Para transformarmos estes traumas do passado compartilharemos algumas chaves que podem ajudar no despertar da consciência amorosa e paz interior.

 

Silêncio

A primeira chave é o cultivo do silêncio, porque é nele que podemos ouvir a voz do coração. Quando você compreende isso, naturalmente você deveria procura cultivar o silêncio em sua vida diária. Não me refiro apenas ao barulho que sai pela boca quando falamos, pois, podemos estar de boa fechada, mas completamente barulhento por dentro. Estou me referindo aos pensamentos compulsivos. Estou me referindo ao silêncio interno.

Honestidade

Honestidade não tem haver sair por aí falando para os outros tudo o que pensamos que é verdade. As vezes o outro não está pronto para ouvir aqui, mesmo que o que você esteja falando seja verdade e isso pode alimentar discursões e conflitos desnecessários. Seguir a verdade, significa ouvir o chamado do seu coração.

Ação correta

Ação correta é sinônimo de com senso e discernimento. Não tem nada haver com moralismo. Não tem haver com seguir regras rígidas impostas pelo mundo externo do que está certo ou errado. É uma ação que parte de sua intuição, é a voz do seu coração, é ter coragem de ser você mesmo, autentico e espontâneo.

Não violência

Não violência é uma ação altruísta ou sem ego. Significa deixar de ser canal da destruição e da maldade que provoca sofrimento no outro e em si mesmo, não importa em que nível.

Amor consciente

Para manifestar o amor consciente é preciso primeiro reconhecer o seu desamor. Procure identificar em quais situações e com quem você ainda não pode ser amoroso. Onde e com quem o seu amor não fui livremente? Em que situações o seu coração se fecha?

Por meio desse processo de limpeza interior descobrimos muitas verdades sobre nós mesmos. Aprendemos como identificar e remover os obstáculos que emergem quando trilhamos o caminho do coração. A cada pedaço de lixo que removemos, abrimos os canais para que nosso amor flua livremente.

Presença

Essa é a chave mestra que ilumina toda a escuridão. Então, por que não focamos apenas nela? Porque nem todos estão prontos para utilizá-la imediatamente. A mente humana está muito identificada com traumas da infância que precisam ser purificados antes de conseguirmos sustentarmos a presença em sua plenitude.

Serviço desinteressado

Esse é o amor em movimento. É quando você pode se doar verdadeiramente ao outro sem querer nada em troca.

Lembrança constante de Deus

Naturalmente você começa a manifestar a lembrança constante de Deus. Me refiro a Deus como a centelha de vida que está em tudo e em todos. Você começa a olhar para os outros além da aparência.

Ação e reação

Mesmo sem perceber, a maioria das pessoas estão reagindo as situações ao invés de agirem diante das situações.

Vamos primeiro entender o termo reação. Significa que você esta reagindo inconscientemente. Alguém está manipulando você. Alguém diz uma coisa, faz alguma coisa, e você reage. O verdadeiro dono da situação é outra pessoa. Alguém aparece e insulta você e você reage, fica com raiva. Alguém aprece e elogia você e você sorri e fica feliz. Trata-se da mesma coisa. Você é vulnerável ao externo e o outro sabe como mexer com você. Vamos conversar um pouco como perceber melhor este padrão para que não sejamos uma marionete dos outros.

Você não pode prever o que chega ou acontece com você, mas você pode escolher como agir diante disso. Lembre-se, nós reagimos de acordo com os nossos condicionamentos. Nós reagimos porque fomos condicionados de certa maneira. Você pode ter sido condicionado a ser muito educado. Pode ter sido condicionado a ficar calmo em situações em que as pessoas normalmente ficam agitadas e ensandecidas. Mas isso é apenas um condicionamento, não tem nada a ver com agir conscientemente.

Quando somos livres, quando deixamos o condicionamento de lado e passamos a olhar a vida com novos olhos, sem nuvens de condicionamento atrapalhando, passamos a ser imprevisível. Quanto mais consciente no momento presente, passamos a deixar as ideias fixas e agimos sem preconceitos ou planos. Aconteça o que acontecer no momento, você poderá ser autentico e verdadeiro.

Neste momento é importante destacarmos duas palavras: autoridade e autenticidade. Normalmente agimos de acordo com a autoridade que nos condicionou, seja um padre, o político, os pais, professores e etc… Nos comportamos da forma que aprendemos que devemos nos comportar, ou seja, de forma condicionada. Uma pessoa livre pode se comportar de acordo com sua autenticidade. Diante de cada situação ela responderá em alinhamento com todo o seu SER. Ela fará sempre o melhor naquele momento presente. A cada momento ela será autentica com seus sentimentos.

Muitas vezes dizemos um sim para fora, mas estamos com um não maior do mundo dentro da gente. Ou seja, fazemos uma coisa sentindo que poderíamos fazer outra. Precisamos resgatar o valor do sim e o valor do não. As vezes gosto de falar que um não para fora pode ser um grande sim para dentro ou para liberdade.

Falando em liberdade, vejo que neste contexto, liberdade significa a capacidade de dizer “sim” quando é preciso dizer sim “sim”, de dizer “não” quando é preciso dizer “não” e de ficar calado as vezes, quando nada é necessário.

Uma das dinâmicas que podemos nos ajudar nesta questão de ação e reação, do sim e do não é começarmos a alinhar nossos pensamentos, palavras e ações.

Precisamos desenvolver mais integridade e honestidade. Precisamos começar a nos libertarmos de uma profunda contradição que nos habita. Até então, você não está conseguindo ir na direção que deseja.

Quando você aprende a usar sua mente, você faz qualquer coisa. Quando você compreende, realmente, que tudo aquilo que se manifesta na matéria começa na mente, que aquilo que você pensa, você cria; quando você aprende a usar isso mesmo, você começa a brincar de Deus. Começa a brincar de criador.

É fácil realizar desejos. É só você colocar toda a sua energia em uma direção. Quando você quer uma coisa com todo o seu coração, isso significa pensamento palavra e ação reunidos em uma única direção, você se torna um raio de realização. Normalmente, se você não tem seus desejos atendidos, é porque você pensa uma coisa e faz outra; fala uma coisa e sente outra; o coração te leva para um lado e a mente está indo para outro.

Libertar-se das contradições é absolutamente necessário, libertar-se do auto-engano é absolutamente necessário. Precisamos buscar uma equanimidade mental.

Quando você estabiliza a sua mente no momento presente, você coloca o amor em ação, você coloca o amor em movimento. Caso contrário, você estará reagindo, reagindo, reagindo. A ação e a espontaneidade sempre se manifestam com sabedoria e compaixão.

A questão é como fazer o que você te quem fazer. Chega um momento em que você se torna sensível, a ponto de perceber quando você está se desviando do caminho do coração. O seu corpo emite um sinal de alerta. O corpo se contrai, você sente desconforto, você sente algum desencaixe. É o corpo que te revela que existe algo desalinhado.

Equanimidade não é calar diante das injustiças, mas é agir a partir de um coração amoroso. É a única maneira de a gente interromper esse círculo vicioso, onde a gente trata o mal com um mal.

Às vezes o amor se manifesta com firmeza, às vezes ele coloca limites. Mas essa firmeza, esse limite, nascem do amor, de uma ação.

Sim, o que estou te propondo é estabilizar a sua mente para uma ação alinhada com o amor.

Precisamos superar nossas contradições que nos habitam. Precisamos no mover para frente e para cima ao invés de ficar andando em círculos. Deixe claro para o universo o que você quer. Assim você colabora com o universo, você ajuda o universo a te ajudar.

A felicidade não é uma coisa

Buscar a felicidade fora de nós mesmos é como tentar agarrar uma nuvem. A felicidade não é uma coisa: é um estado mental. A verdadeira felicidade nunca será encontrada fora do Eu. Precisa ser vivida e não pode ser comprada em caixinhas. A inquietação mental resulta de uma percepção voltada para fora.

Muitos hábitos inconscientes envolvem nossa mente e eliminam toda paz interior que por ventura tenhamos desfrutado.  Muitos ainda vivem pelo condicionamento do materialismo e se envolvem de tal forma a fazer dinheiro que não conseguem relaxar e gozar seu conforto, mesmo depois de adquiri-lo. A vida moderna esta levando muitos a insatisfações. Basta olhar à sua volta. Pergunte-se: Essas pessoas estão felizes ou querem demostrar que estão felizes? Note o medo em seus pensamentos, o vazio em seus olhos, as expressões tristes em suas faces ou o cansaço em suas vidas. É comum ver pessoas dependendo de circunstancias exteriores para o seu sustento físico, mental e espiritual. Sem nunca olhar para dentro ou para verdadeiramente se conhecer, o homem aos poucos esgota sua reserva de energia. Não há nada de errado em ter riqueza e ser próspero, o desequilíbrio está em deixar de viver a vida em função disto. É claro que é melhor ter dinheiro do que não ter. Lembre-se que é a pobreza espiritual e não a material que está no centro do sofrimento humano. É disto que estamos falando.

Convém distinguir entre o necessário e o supérfluo. As coisas necessárias são poucas, ao passo que as supérfluas não têm fim. Quanto mais depender das coisas exteriores para a sua felicidade, menos felicidade duradoura experimentará.

A felicidade pode ser assegurada pelo exercício do autocontrole, pelo cultivo de hábitos simples e pensamentos elevados. Tente ganhar mais a fim de ajudar os semelhantes a ajudar-se a si mesmos. Uma das leis tácitas da vida é que quem ajudar os outros a obter abundancia e felicidade será sempre ajudado, e obterá mais e mais prosperidade. Essa é uma lei da felicidade que não pode ser infringida.

Muitos estão vivendo mecanicamente. Apesar de ter um corpo respirando passarão pela vida sem nunca ter verdadeiramente vivido. Se você teimar em ser triste ou permanecer apegado as dificuldades e ao sofrimento, ninguém no mundo o fará feliz. Mas se preparar a mente para ser feliz, nada, nem ninguém no mundo lhe roubará essa felicidade.

Se você direcionar sua intensão para encontrar a alegria dentro de si mesmo, cedo ou tarde a encontrará. Busque-a todos os dias, praticando a meditação, e sem dúvida achará a felicidade duradoura. Mergulhe dentro de si mesmo, pois ali está a maior das alegrias.

A felicidade cresce graças aquilo que a alimenta. Aprenda a ser feliz sendo feliz o tempo todo. Alguém uma vez disse: “se eu tiver dinheiro, serei feliz”. Depois de ter dinheiro, afirmou: “serei feliz se puder me livrar da minha indigestão aguda”. A doença foi curada, mas ele pensou: “se me casar, serei feliz”. O primeiro casamento só lhe trouxe problemas; o segundo foi pior ainda e ele acho que seria mais feliz quando se divorciasse. Hoje com 70 anos de idade imagina: “só serei feliz se voltar a ser jovem”. E assim as pessoas vão tentando atingir a meta da felicidade, sem jamais a ter conseguido.

Condicione a sua mente a ser feliz na riqueza e na pobreza, na saúde ou na doença, no bom ou no mau casamento, na juventude ou na velhice. Não espere mudanças em si próprio, em sua família ou em seu ambiente para ser feliz no intimo. Disponha-se a sê-lo agora mesmo, quem quer que você seja ou onde quer que você se encontre.