Disciplina e Meditação

A meditação começa quando você começa a se separar da mente e passa a ser apenas uma testemunha. Se você está olhando para uma luz, naturalmente é uma coisa é certa: você não é a luz, você é aquela pessoa que está olhando para ela. Se você observando flores, uma coisa é certa: você não é a flor, você é o observador.
A observação é a chave da meditação. Apenas observe sua mente.

 

Não precisa fazer mais nada, apenas observe o que a mente está fazendo e não a perturbe, não a reprima, não faça absolutamente nada de sua parte. Seja apenas um observador, e o milagre da observação é a meditação. A medida que você observa, lentamente, muito lentamente, a mente vai ser tornando vazia de pensamentos, mas você não está caindo no sono, esta ficando mais alerta, mas consciente.

Quando sua mente se torna completamente vazia, toda sua energia se torna uma chama do despertar. Está chama é o resultado da meditação. Então você pode dizer que a meditação é outro nome do testemunhar, da observação, sem nenhum julgamento, sem nenhuma avaliação. Apenas observando, você sai imediatamente da mente.

O observador nunca é a parte da mente. Conforme o observador se torna cada vez mais enraizado e forte, a distancia entre o observador e a mente vai se tornando cada vez maior. Logo a mente está tão distante que você mal consegue sentir que ela existe… Ela passa a ser apenas um eco em vales distantes. E, finalmente, até esses ecos desaparecem. Este desaparecimento da mente independe de seu esforço, independe de você usar qualquer coisa contra a mente – apenas deixe-a morrer a sua própria morte.

Quando sua mente está silenciosa, absolutamente ausente, você não consegue encontra-la em lugar algum. Você se torna pela primeira vez consciente de si mesmo porque a mesma energia que estava envolvida na mente, não encontrando a mente, volta para si mesma.

Tomar um bom banho, estar limpo e confortável, sentar-se em uma postura ereta e confortável, com os olhos fechados, nem faminto nem empanturrado de comida e simplesmente observar todo o corpo, ada parte dele, vendo se tem alguma tensão e relaxando ainda mais é uma boa prática que auxilia no aprofundamento da meditação. Você pode até praticar deitado, mas estar sentado no chão ou em uma cadeira, pode ajuda-lo a não adormecer.

E então simplesmente observe sua mente como se ela fosse um transito de pensamentos ou um filme. Um filme na TV ou no cinema, você é apenas um observador neutro. Está é a disciplina. Se ela for completa, a observação chegará muito facilmente, e a observação se tornará a meditação.

Através da observação a mente desaparece, os pensamentos desaparecem. E esse é o momento mais abençoado: quando você está desperto e um límpido céu azul surge do seu ser interior.

De repente sua consciência se torna muito rica, porque a energia é um alimento para sua consciência. A energia retornando cria quase uma chama do seu ser. Você vê pura luz e silêncio à sua volta. Silêncio absoluto, e um imenso centramento.

Agora você está no seu próprio centro.

No momento certo, quando você estiver perfeitamente centrado, vem uma explosão interior que proporciona todos os tesouros internos, todo o esplendor. Um grande milagre acontece, você conhece a si mesmo, você descobre que é imortal, que está além do corpo, além da mente, que você é consciência pura.

Por isso as técnicas e a disciplina são apenas um apoio. O essencial é o testemunhar, a observação – isso é meditação.

Autocompaixão

Você pratica a autocompaixão?          Vida corrida, acúmulo de tarefas, cobranças… Tantas obrigações diárias nos levam a prejulgamentos e análises rigorosas sobre nós mesmos e

Leia Mais »
Shopping Basket