MaisConsciente-OPodeDaPresenca

O poder da presença

Há um certo tempo, nossa sociedade está passando por processos emocionais um tanto quanto desafiadores. Com isso, muitos de nós, estamos encontrando dificuldade em estar e se manter no momento presente. Não conseguimos estar presentes em uma conversa informal com um amigo, não estamos presentes no caminho que fazemos até o trabalho, não estamos presentes tomando um banho, nem mesmo presente em nossa própria companhia.

Como sabemos disso?

Nossa cabeça está sempre em dois momentos que não é o agora: passado ou futuro.

Na conversa com o amigo, estamos pensando numa reunião que teremos amanhã, na ida ao trabalho não estamos desfrutando da paisagem, nem mesmo prestando atenção nas placas de trânsito por que o nosso foco é chegar mais depressa ao destino, quando vamos tomar banho o foco é terminar o banho e não desfrutar daquele momento. Conseguem entender?

Esses dois movimentos (estar no passado ou no futuro), são os grandes responsáveis pelas conhecidas “doenças do século” – depressão e ansiedade. Depressão nada mais é que excesso de passado, já a ansiedade excesso de futuro.

O número de pessoas que vivem com depressão/ansiedade, segundo a OMS, está aumentando – 18% entre 2005 e 2015. A estimativa é que, atualmente, mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades sofram com a doença em todo o mundo. O órgão alertou ainda que a depressão figura como a principal causa de incapacidade laboral no planeta (incapacita muito mais que um câncer).

 
De acordo com a OMS, cerca de 5,8% da população brasileira sofrem de depressão e ansiedade – um total de 11,5 milhões de casos. O índice é o maior na América Latina e o segundo maior nas Américas, atrás apenas dos Estados Unidos, que registram 5,9% da população com o transtorno e um total de 17,4 milhões de casos.

A mente presa nesse fluxo do tempo nos faz acreditar que precisamos de muito para sermos felizes, se tornando uma crença limitante em nossas vidas.

E como a meditação mindfulness pode ajudar nesse processo?

Mindfulness é a sua capacidade de prestar atenção no que está acontecendo, aqui e agora. Esse movimento faz com que consigamos se desprender desse fluxo do tempo que é o gerador de tanto sofrimento e angustia. Através de práticas diárias, nossa mente passa por uma reprogramação e passamos a perceber/valorizar coisas nunca pensadas antes.

Sabemos que em muitos casos de depressão/ansiedade, se faz necessário um acompanhamento médico, uso de alopáticos e terapia. Nestes casos, a meditação vem para auxiliar e dar suporte a todo processo.

Estar presente no aqui e no agora é desafiante, mas só assim conseguimos relaxar e confiar no fluxo da vida. Nunca houve um momento em que a nossa vida não foi agora, nem nunca haverá. Precisamos desfrutar desse poder da presença.

20200811-Postagens-02

Curso de meditação mostra como enfrentar estresse durante pandemia

Curso de meditação mostra como enfrentar estresse durante pandemia
A pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) está provocando mudanças impactantes no mercado de trabalho, como a adesão do home office por muitas empresas. Porém, o aumento do trabalho remoto está deixando 62% dos profissionais mais ansiosos e estressados, de acordo com pesquisas recentes.
Os estudos aprontam que aproximadamente 68% dos entrevistados têm trabalhado, no mínimo, uma hora a mais por dia. De acordo com as pesquisas, 21% dos trabalhadores prolongam a jornada em até 4 horas diárias, por causa do home office.
“O trabalho remoto evita que as pessoas tenham um grande desgaste com o trânsito. Por outro lado, pode gerar uma cobrança maior por resultados e uma grande ansiedade com relação ao futuro. Tudo isso contribui para o aumento do estresse, afirmou o instrutor de Mindfulness Felipe Lapa.
Para ele, a Meditação tem como um dos principais benefícios fazer com que os indivíduos busquem o Autoconhecimento e percebam, de maneira mais profunda, os impactos causados pela quarentena do coronavírus.
Treinamento
Com o objetivo de ajudar as pessoas a ter mais qualidade de vida durante o período de isolamento social, o instrutor de mindfulness lançou um treinamento on-line que apresenta um passo a passo sobre como a meditação pode ser útil para dar mais tranquilidade e organização em um momento tão delicado como o atual.
O Treinamento tem duração de 8 Semanas em formato Presencial ou Online com vídeo aulas Ao Vivo e Gravadas, que pode ser feito de acordo com a disponibilidade do internauta. Dessa forma, o conteúdo pode ser assimilado de forma mais consistente, o que é fundamental para apresentar bons resultados.
Segundo Felipe Lapa, o treinamento apresenta de maneira didática os benefícios que a meditação oferece no dia a dia. Um dos motivos é que o conteúdo se destina a todos que desejam buscar equilíbrio, foco e concentração para vencer os desafios impostos pelo isolamento social.
“Esse treinamento tem como uma das principais vantagens inserir a Meditação no dia a dia das pessoas. É muito importante que tenhamos momentos para analisar como estamos enfrentando diversas questões em nossas vidas. À medida que a Meditação faz parte da vida de alguém, mais simples se torna compreender o que acontece ao redor”, enfatizou.
Aprendizado
De acordo com Felipe Lapa, uma das finalidades do curso é ensinar os alunos a manter a calma por meio da respiração, o que é muito importante principalmente em situações mais complexas.
“Respirar de maneira correta é um ótimo caminho para uma pessoa ser mais tranquila e serena. Essa prática contribui bastante para ter mais paciência consigo mesmo e com o outro. Se estamos em paz com nós mesmos, temos mais condições de compreender os que convivem com a gente”, explicou.
O instrutor também disse que o aprendizado da Meditação proporciona diversas vantagens, como o fortalecimento do sistema imunológico, a redução do estresse, o aumento da capacidade de concentração e a expansão do autoconhecimento.
Na avaliação de Felipe Lapa, o aumento da ansiedade e do estresse, provocados pelo home office, tem ligação direta com a dificuldade de enfrentar esse momento de maneira plena.
“Se alguém se mostra incapaz de meditar por 10 minutos, é sinal de que não está bem consigo mesmo. O meu curso mostra que a paz deve estar dentro de nós, sem envolver fatores externos (dinheiro e sucesso profissional). Para vencer os problemas, temos que lidar com nós mesmos com maturidade. A meditação nos ajuda nesse sentido, porque nos permite viver plenamente o agora”, enfatizou.
Experiência
Formado pelo MTI (Mindfulness Training International), Felipe Lapa é especialista em Meditação, Mindfulness e facilitador em processos de autoconhecimento e desenvolvimento humano.
Ele já ministrou diversos cursos ligados à prática de Meditação com bons resultados. Prova disso é que já realizou várias palestras e treinamentos para o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE), Neoenergia, Compesa, Shopping Tacaruna, Sociedade de Anestesiologia do Estado de Pernambuco, Pharmapele, Faculdade de Medicina de Olinda, entre outros.
Saiba mais sobre o Curso de Meditação, Mindfulness & AutoConhecimento em 8 Semanasnos links abaixo

Curso Presencial:
https://maisconsciente.com.br/curso-de-meditacao-mindfulness-e-autoconhecimento-presencial-em-recife/

Curso Online:
https://maisconsciente.com.br/curso-de-meditacao-mindfulness-e-autoconhecimento-online/

bg-curso-Felipe-Lapa.jpg

Como começar a praticar mindfulness?

Manter a atenção plena no dia a dia é uma tarefa bastante difícil, porque há uma série de ações que devemos concretizar e que nos deixam, em determinados momentos, preocupados e angustiados. Para fugir dessa situação, uma excelente alternativa é começar a praticar mindfulness (modalidade de meditação)
Segundo com uma pesquisa recente, 17% dos europeus e 12% dos norte-americanos estão usando essa técnica para conviver melhor com as dificuldades e conquistar mais qualidade de vida.
Aproveitar os benefícios proporcionados pela meditação requer muita dedicação e foco em resultados. Pensando nisso, vamos apontar, neste post, ações para você dar os primeiros passos no mundo do mindfulness. Confira!
Reúna planejamento e paciência
Atingir a atenção plena é uma missão que requer organização e calma. Em outras palavras, é fundamental você treinar a sua mente aos poucos para o hábito de meditar ser inserido na sua rotina com mais facilidade.
Há exercícios com duração de 1 a 5 minutos e que podem ser feitos por aqueles que desejam começar a praticar mindfulness, sem fazer um grande esforço. À medida que for elevando o seu nível de concentração, você pode priorizar as atividades de meditação para ter uma mente mais forte.
De acordo com estudos, 47% dos nossos pensamentos não são devidamente orientados, ou seja, fogem do nosso controle. Ao planejar e fazer exercícios voltados para a atenção plena, é possível haver um controle mais efetivo da nossa mente.
Entenda a importância da respiração
Se você está interessado em aproveitar as vantagens do mindfulness, um bom caminho é reconhecer o papel da respiração na sua vida. Para dar os primeiros passos no universo da meditação, vale a pena fazer alguns exercícios bem simples.
Um deles é ficar em uma posição confortável (sentado ou em pé). Ao perceber o corpo estabilizado, feche os olhos, respire profundamente e observe como é o contato do seu corpo com o chão e/ou a cadeira.
Também fique atento a eventuais incômodos. Durante o exercício, observe o movimento do tórax e do abdome ao inspirar e expirar. Seguir o fluxo natural da respiração é bom para você ficar mais à vontade.
Se aparecer alguma distração (imagem, lembrança do passado etc.), procure retomar a concentração o mais rápido possível. É uma maneira de treinar a sua mente atingir a atenção plena por mais tempo.
Ao encerrar a atividade, faça uma análise de como está sentido o seu corpo no momento e, aos poucos, vá abrindo os olhos. É um exercício simples que pode durante 1 a 3 minutos. O importante é colocar esse hábito no seu cotidiano, mesmo que seja de maneira lenta.
Para se ter uma ideia de como o mindfulness tem obtido bons resultados, empresas multinacionais têm apostado nessa técnica para melhorar a produtividade dos funcionários.
Busque apoio qualificado
Por estar em expansão no Brasil e em diversas partes do mundo, o mindfulness está chamando cada vez mais a atenção dos que procuram alternativas para ter mais qualidade de vida e menos estresse.
Esse fator tem contribuído para a difusão de cursos que orientam os alunos a adotar essa técnica de maneira prática e inteligente. Há treinamentos presenciais com duração de 8 semanas e exercícios que podem ser feitos para manter a atenção plena de maneira mais simples.
Caso esteja querendo começar a praticar mindfulness de forma adequada, vale a pena obter mais informações sobre o projeto Mais Consciente, idealizado pelo instrutor Felipe Lapa, que também promove capacitações presenciais e online sobre essa técnica.
Se você gostou deste post ou tem dúvidas sobre como meditar, deixe o seu comentário. Estamos à disposição para ajudá-lo a melhorar a cada dia!

Felipe-Lapa_Home.png

Mindfulness: alternativa para combate à solidão na quarentena

O isolamento social é uma realidade que não temos como prever quando vai terminar. Para os que estão seguindo à risca as recomendações dos órgãos públicos de saúde, sair de casa é uma ação realizada apenas em momentos necessários. Por isso, um boa alternativa é a prática de mindfulness para a solidão não ser sinônimo de tristeza,.
Buscar a atenção plena por meio da meditação é importante para compreender melhor a si mesmo e, principalmente, a situação em que estamos vivendo. A paz interior é indispensável para estarmos afastados de pensamentos negativos e que podem nos levar a crises de ansiedade e a depressão.
Neste post, vamos destacar os motivos de o mindfulness ser uma iniciativa válida para você ter mais controle emocional durante a quarentena. Confira!
Fortalecer o autoconhecimento
Por que tomamos determinadas atitudes ao longo de nossas vidas? Você chegou, em algum momento, a refletir, de fato, sobre os aspectos que o levaram a optar por algumas decisões? A resposta para essas perguntas se torna mais simples ao colocarmos em evidência o autoconhecimento.
A prática de mindfulness tem como um dos principais ganhos contribuir para avaliarmos em que podemos melhorar e o que nos atrapalhou no passado. Ao priorizar a atenção plena, é possível ter um maior foco em si mesmo, ou seja, na maneira de como se relaciona com as situações vivenciadas e com as pessoas ao redor.
Essa postura favorece um pensamento mais sereno sobre o que tem influenciado a adotar diversos procedimentos. Conhecer a si próprio é um passo válido para a mudar e, consequentemente, ser uma pessoa melhor.
Evitar a ansiedade
Quando vou estar próximo fisicamente dos meus familiares de novo? Será que vou perder emprego? Algum parente ou amigo vai ser contaminado pelo novo Coronavírus? São questionamentos que podem gerar ansiedade em diversos casos. Administrar os pensamentos em uma conjuntura atípica não é uma tarefa fácil.
Um dos motivos é que o isolamento social impede de usar mecanismos que nos ajudam a esquecer de situações adversas, como ir ao cinema, caminhar no praia ou em uma praça, andar de bicicleta, ir a um bom restaurante, fazer compras etc.
A prática do mindfulness se torna indispensável para não apenas alcançar o autoconhecimento, mas também para se fortalecer emocionalmente e compreender que o momento atual exige um grande esforço de superação.
Acreditar em dias melhores é um bom caminho para conviver de maneira inteligente com o distanciamento social. Para isso, necessitamos estar bem com nós mesmos e aprimorar as nossas qualidades.
Valorizar os bons relacionamentos
É comum haver problemas nas relações familiares e com os amigos. Visões diferentes sobre determinados contextos podem gerar problemas que atrapalham a boa convivência. Por outro lado, é preciso exercer a autocrítica para pensar em como você contribuiu para o problema acontecer.
Essa conduta também pode ajudá-lo visualizar o que é preciso fazer para a boa convivência voltar a prevalecer. A atenção plena nos permite olhar para nós mesmos e as pessoas de maneira mais madura e responsável.
Além disso, mostra como é bom aproveitar os momentos de confraternização com as pessoas mais próximas. Valorizar as coisas simples da vida nos torna mais humanos e capazes de compreender melhor o outro. Isso é fundamental para o nosso crescimento e termos mais forças em momentos difíceis.
Exercer o otimismo
Fugir de pensamentos negativos é uma maneira inteligente de evitar que a depressão provoque consequências graves em nossas vidas. A ausência de afeto e a falta de atividades de lazer podem nos deixar mais vulneráveis a situações adversas.
Por isso, a prática do mindfulness é crucial para apresentar a atenção plena e ter mais esperança de que dias melhores virão. Estar cercado de boas energias nos dá mais força para seguir em frente e perceber que as dificuldades vão nos impulsionar a ter uma visão mais amena da vida.
Se você gostou deste post, compartilhe-o nas redes sociais agora mesmo! Afinal, boas energias devem estar à disposição de todos!

O que é Mindfulness Self-Compassion?

O mundo hoje exige muito de cada indivíduo. Vivemos cercados de rotinas estressantes onde trabalhamos por incansáveis horas e quando chega o momento de descansar ainda percebemos que existem tarefas a serem cumpridas que nos cercam de cobranças excessivas.

E justamente essa carga negativa que carregamos diariamente, com o passar do tempo vai gerando um peso muito grande em cima de cada um.

Esse sofrimento emocional passa a desencadear muitos problemas – físicos e psicológicos. É assustador os índices que indicam a quantidade de pessoas com depressão, ansiedade e outros transtornos psicológicos.

Precisamos começar a falar em auto cuidado, praticar o amor próprio e diminuir as cobranças e auto criticas. Foi pensando justamente nisso que um novo conceito de mindfulness surgiu, o “Mindfulness Self-Compassion”.

Vamos entender mais sobre o que é essa nova pratica e porque todos estão falando tão bem sobre ela.

O que é Self Compassion

Antes de entendermos o que é esta nova prática vamos entender alguns conceitos. “Self Compassion” traduzido do inglês para o português significa “autocompaixão”.

Podemos dizer que autocompaixão é a capacidade de tratar a si com o mesmo carinho, gentileza, educação e amor que trataria outra pessoa.

Quando uma pessoa, da qual temos muito carinho se depara com momentos difíceis ou falha ao tentar realizar determinados desafios, não criticamos essa pessoa ou os recebemos com julgamentos, pelo contrario, a recebemos com gestos gentis, palavras carinhosas e entendemos que é normal errar e falhar.

Mas então, se é totalmente aceitável e natural do ser humano, porque quando nos deparamos com estes momentos difíceis não sabemos lidar com isso tão bem e partimos logo para a autocrítica?

Vale lembrar, a autocrítica citada acima é referente a maneira destrutiva que nos tratamos, geralmente ela vem acompanhada de pensamentos ruins e severos. Muito diferente disso, temos a autocrítica que fazemos para nos impulsionar, motivar a melhorar no trabalho, nos estudos, ou em outra situação que estamos desejando obter sucesso.

Mindfulness Self-Compassion

O mindfulness self-compassion ensina que devemos ser bondosos consigo próprio. Reforça a ideia de que para obtermos um bem-estar emocional é preciso reconhecer que iremos atravessar momentos difíceis na vida, assim não devemos ignorar nossas emoções ou nos julgar por uma fraqueza.

De acordo com os Professores Christopher Germer e Kristin Neff, criadores do programa de Autocompaixão (Mindfulness Self-Compassion), definem os beneficios proporcionados pelo MSC como: “o desenvolvimento de uma relação mais saudável consigo mesmo, com as demais pessoas, o desenvolvimento do auto-responsabilidade no lugar da autocrítica, o desenvolvimento da sensação de pertencimento e acolhimento afetivo no lugar da sensação de isolamento social e no desenvolvimento de um estado de atenção plena e clareza mental, no lugar da super-identificação com pensamentos negativos, intrusivos e repetitivo.”

Como praticar

Antes de qualquer coisa devemos nos lembrar do que é mindfulness.

Mindfulness nada mais é do que a atenção plena, portanto quando falamos em sofrimento e dificuldades enfrentadas no cotidiano é errado tentar ignorá-los.

Pelo contrario, o mindfulness self-compassion nos ensina a enfrentar, aceitar e entender estes sentimentos de sofrimento. Aceitar também que enquanto estamos vivos, estaremos sujeitos a erros e fracassos, mas tudo bem, se falharmos podemos tentar de novo amanha, depois, e quantas vezes for preciso.

É necessário estar presente e ter consciência de que este é apenas um momento difícil, é preciso aceitar e lidar com a realidade. Quando tivermos esta consciência estaremos realmente praticando o MSC.

No começo será difícil, colocar em pratica. A autocompaixão é como reaprender algo, leva tempo, exige paciência, disciplina e calma. Tente evitar momentos de muita emoção, pode ser que você ainda não esteja preparado para enfrentá-los da forma correta, mas se acontecer lembre-se de manter a calma e ser gentil, por exemplo:

Para aqueles que estão em um período de procura de emprego, pode ser que você não esteja encontrando nada, se isso acontecer lembre-se, existe sempre outra coisa que eu possa fazer, e se não souber fazer, posso aprender. Se encontrar uma vaga disponível e não for chamado, não se desespere, pense em algo que você possa acrescentar ao seu currículo, algo inovador para chamar a atenção do contratante.

O importante do MSC é não ser severo consigo mesmo.

Seja o seu melhor amigo, cuide de você com carinho, cuide da sua saúde mental. Aos poucos está pratica se tornar mais fácil até o ponto que você consiga encontrar sua felicidade e paz.

Caso queira, conheça o nosso curso de meditação e mindfulness uma forma de aprender a dominas as técnicas de forma fácil e evitando as frustrações.

Mindfulness no tratamento de dores crônicas – entenda como funciona

A cada dia pode-se observar o crescente número de adeptos a meditação, mas e quanto ao mindfulness?

Uma prática onde indivíduos aprendem a desenvolver habilidades de atenção plena e foco no presente ao seu redor se torna bastante atrativa, não é mesmo?

Toda essa concentração e atenção plena apresentam inúmeros benefícios aos seus praticantes, é comprovada a melhora no desempenho escolar, rendimento no trabalho e até no controle de dores crônicas.

Diversos estudos estão sendo realizados para observar como o mindfulness pode ajudar pessoas que sofrem de dores crônicas a amenizar os sintomas ruins e ter uma qualidade de vida um pouco melhor.

Vamos entender um pouco mais de como isso pode ser possível.

O que é dor crônica?

Compreende-se como dor crônica, aquela dor recorrente que não para em até um mês. Uma dor crônica pode persistir por meses.

As causas que levam um indivíduo a desenvolver uma dor crônica são várias, algumas delas são:

  • Doenças crônicas, como, por exemplo, o câncer, artrite e diabetes;
  • Lesões de diversos tipos, os mais comuns são a hérnia de disco e rompimento de ligamentos;
  • Doenças primárias, como por exemplo, dores neuropáticas, fibromialgia e cefaleia crônica.

Nestes casos é de extrema importância o acompanhamento médico, remédios e até mesmo alguns tratamentos alternativos serão recomendados.

Como o mindfulness pode ajudar no tratamento da dor?

A prática do mindfulness fortalece emocionalmente o individuo, ajuda a reduzir a intensidade da dor e até mesmo o sofrimento psicológico que a pessoa esteja enfrentando.

Seu objetivo é estimular o praticante a fazer uma pausa sobre tudo que está acontecendo, relaxar o corpo e a mente para que assim possa observar com mais clareza o momento presente.

O individuo consegue se concentrar na fonte dos problemas (onde se inicia a dor).  Com esse controle da mente, corpo e ambiente, é possível compreender todos os pensamentos e sentimentos para que assim ele possa começar a trabalhar estas questões.

Os primeiros casos que serviram de base para diversos estudos foram com portadores de dores lombares crônicas, fibromialgia, dor pélvica crônica e artrite. Os resultados finais são bastante satisfatórios, a redução da intensidade da dor foi significativa.

Jon Kabat-Zinn foi primeiro pesquisador que relaciona mindfulness no tratamento de dores crônicas. Em 1982 ele a descreveu da seguinte maneira:

“A orientação da Meditação não trata de resolver a dor ou de torná-la melhor, e sim de olhar profundamente dentro da natureza dela – usando-a de certas formas que poderiam nos permitir crescer.

Nesse crescimento, as coisas mudarão, e temos o potencial de fazer escolhas que nos levarão na direção de maior sabedoria e compaixão, incluindo autocompaixão portanto, na direção da libertação do sofrimento”.

Como praticar?

Para tornar o mindfulness um aliado no combate a dores crônicas devemos mudar a forma de pensamento e aceitar a condição em que nos encontramos.

1. Aceite a sua dor

Ao longo do dia, quando se referir às dores que está sentindo utilize a palavra “desconforto” para descrevê-las. Parece bobo, mas fazendo está troca de palavras você consegue amenizar o impacto negativo que está sendo enviado ao cérebro, assim emoções negativas podem ser evitadas.

2. Entenda a sua dor

Geralmente quando um indivíduo está sofrendo de dores crônicas ao longo do tempo este desconforto vai se tornando tão grande que parece doer o corpo todo, portanto ao relaxar a mente, se concentre no maior foco de desconforto, onde ele começa?

Se concentre nas sensações que a dor lhe causa. Ela parece com uma queimação? Pontadas? Parece que sua pele está sendo rasgada? Ou é uma sensação de esmagamento?

3. Aprenda a conviver com a dor

Parece absurdo, mas trate a dor como uma “velha amiga”, aprenda a conviver com ela. Desta forma conseguirá reduzir os sentimentos negativos que os cercam e melhorar sua qualidade de vida.

Não trate a dor como algo que vá arruinar sua vida, pensamentos ruins alimentam emoções negativas.

Aceite sua dor com autocompaixão, as sensações desagradáveis sempre irão acompanhar a dor física, mas reconhecer estas sensações são uma maneira de se libertar do sofrimento.

Como aprender o Mindfulness?

A Mais Consciente oferece cursos de meditação e mindfulness, com o propósito de transformar vidas, ajudar as pessoas a lidarem com os problemas do dia a dia e entender como filtrar e transformar a dor em algo dominável.

O Mindfulness serve para qualquer pessoa, não se tratando de uma religião, mas sim um novo estilo de vida uma nova forma de encarar e lidar com as situações do cotidiano.

E ai gostou do texto? Esperemos que sim, deixe uma comentário com a sua opinião.

Guia Completo: O que é meditação, como praticar e quais seus benefícios?

Atualmente, o ato de meditar vem se fazendo presente na vida das pessoas, cada vez mais vemos indivíduos buscando aprender esta arte para começar a praticá-la, mas afinal, você sabe o que é meditação?

A sua origem é desconhecida, mas os registros encontrados indicam que ela surgiu séculos atrás no oriente.

Ao contrário do que muitos dizem por ai, a meditação não é uma religião. Ela possui em suas raízes tradições principalmente budistas, mas você não se torna um budista ao praticar meditação, isto é um mito!

Agora que entendemos um pouco da sua origem, vamos entender o que é a meditação.

O que é meditação

Pode-se dizer que milhares de pessoas ao redor do mundo praticam a meditação, esta prática está ganhando espaço na vida dos seres humanos. A partir dessa disseminação da meditação muitos conceitos e técnicas foram modificados conforme a região e cultura de cada lugar.

A essência do que é a meditação continua a mesma, quem a prática busca a evolução da mente para alcançar altos níveis de concentração, foco no momento presente e relaxamento.

Entretanto, a meditação vai além, ela proporciona diversos outros benefícios para o ser humano, alguns deles são:

  • Melhora na qualidade de sono;
  • Melhora no humor;
  • Ajuda no combate e prevenção da depressão;
  • Auxilia no tratamento da ansiedade;
  • Auxilia no tratamento de doenças e dores crônicas;
  • Ensina a pessoa a observar seus pensamentos com mais clareza

Como praticar a meditação

O conceito do que é meditação pode ser bastante amplo, cada povo irá defini-lo de uma maneira e com a finalidade que deseja, sendo assim a forma que você irá praticá-la também pode ser feita de diversas maneiras, não existe uma regra.

Vamos começar pelo posicionamento da pessoa, se você tiver uma boa elasticidade pode sentar-se em posição de lótus/Buddha, essa posição consiste em você sentar-se em uma superfície plana (como o chão), cruzar as pernas uma sobre a outra mantendo a sola dos pés para cima e as mãos sobre as coxas com as palmas voltadas para cima.

Posição de lutus na meditação

Posição de lutus na meditação

Se esta posição for difícil para você e lhe causar muito desconforto pode buscar outras maneiras de se sentar, pode sentar-se sobre uma almofada, sofá, cama ou até mesmo uma cadeira, o importante é estar confortável para que durante a sessão seu foco não seja desviado pelo incomodo e dor.

Quando achar a posição ideal, relaxe! Mantenha uma postura ereta da coluna, cabeça e pescoço erguidos e ombros relaxados.

Hora de começar a praticar, recomendamos que você comece a meditar com a ajuda de um profissional qualificado, aqui na Mais consciente você tem acesso aos melhores guias.

Mas, se ainda assim prefere fazer sozinho, comece se concentrando na respiração, ela é o ponto principal. Se estiver com dificuldade procure algumas técnicas próprias para isto que poderão te auxiliar.

Em seguida, uma maneira bem fácil de você conseguir meditar sozinho é utilizando mantras. Repetir frases e palavras positivas também ajudam neste processo de mentalizar boas energias e relaxar.

Procure um local adequado, um local calmo, tranquilo onde você se sinta bem, pode ser na sua casa ou em um parque, às vezes a natureza ajuda a relaxar e ficar em paz. Você também pode ligar músicas calmas, com sons de mar, chuva, pássaros cantando, o que achar melhor para te ajudar a relaxar.

O tempo de meditação varia, para quem esta começando, procure fazer sessões de 5 a 10 minutos, comece gradualmente para se acostumar e vá aumentando a duração de cada sessão conforme seu corpo acostumar e você sentir necessidade.

Não comece mudando radicalmente sua rotina. Procure encaixar esses minutos de meditação em algum momento do seu dia e lembre-se de sempre planejar.

Se deixar para escolher no dia qual horário você irá meditar, pode ser que aconteça de você esquecer ou ainda utilizar este horário para fazer outras tarefas que julga ser mais importante.

Objetivo da meditação

Quando estamos meditando toda nossa energia, mente e foco é voltado para nós mesmos, com isso podemos compreender que a meditação tem como principal objetivo garantir a elevação no nível de concentração e entendimento do nosso estado espiritual.

A meditação vai além do que uma simples atividade de relaxamento, ela possibilita a conexão da mente com o corpo e assim, permite que o indivíduo se eleve.

Ainda sobre a conexão de corpo e mente, quando trabalhamos estes dois campos juntos o individuo passa a ter um maior autoconhecimento e aumento da sua autoestima.

Benefícios da meditação

Existem inúmeras pesquisas que comprovam a eficácia e os benefícios que a meditação proporciona para cada pessoa, inclusive recentemente contamos com detalhes como a meditação pode ajudar pessoas ansiosas a terem uma qualidade de vida melhor.

Falamos muito em relaxamento e melhoras na nossa mente e estado espiritual, mas a meditação também é um ótimo aliado para a melhora do sistema respiratório e circulatório.

Agora que já conhecemos um pouco sobre o universo da meditação que tal começarmos juntos a meditar? Separe alguns minutos do seu dia para realizar esta prática, com o tempo você ira perceber uma melhora na sua qualidade de vida.

Meditação no tratamento da ansiedade! Funciona?

Pode-se dizer que a meditação nos ensina a trabalhar a mente de forma que ela fique relaxada e tenhamos controle dos nossos pensamentos para assim, observá-los com mais clareza.

Quando aprendemos a nos concentrar com sabedoria, passamos a nos organizar melhor, observar melhor e relaxar.

Com essa elevação da mente começam a surgir alguns efeitos positivos em nosso corpo e estado espiritual.

No artigo de hoje falaremos como a meditação ajuda no tratamento da ansiedade e como você pode começar a aplicar.

Alguns destes efeitos são:

  • Melhora no tratamento e combate a depressão;
  • Noites de sono mais tranquilas (diga adeus para a insônia);
  • Diminuição do estresse;
  • Melhora na concentração e foco para realizar tarefas e exercícios do cotidiano;
  • Controle da ansiedade.

E dentre todos os benefícios e melhoras que a meditação proporciona, hoje iremos falar sobre o controle da ansiedade, como a meditação pode ajudar pessoas ansiosas a terem uma qualidade de vida melhor.

Primeiro, vamos entender o que é a ansiedade

Ansiedade é uma condição natural do ser humano, todos nós somos um pouco ansiosos, quando esperamos a resposta de uma entrevista de emprego, o resultado de um vestibular, de uma prova ou quando esperamos a chegada de alguma pessoa querida, tudo que seja fora, diferente do nosso cotidiano nos causa sintomas de ansiedade.

A ansiedade deixa de ser algo natural e passa a ser uma psicopatologia quando começa a nos afetar em níveis muito altos, algumas pessoas passam a deixar de fazer algo com medo do que possa acontecer depois, seu mundo gira em torno do futuro.

Nesse momento é hora de procurar ajuda profissional, um médico psiquiatra ou psicólogo poderão te orientar a respeito de tratamentos e até mesmo medicações em alguns casos.

O que causa a ansiedade

Não existe uma causa comprovada sobre o que gera a ansiedade, sabemos que ela pode ser causada por inúmeros fatores, dentre eles têm:

  • Genética;
  • Ambiente;
  • Rotina muito agitada;
  • Atividades diferentes do que está acostumado;
  • Espera por algo e alguém.

Como saber se sou uma pessoa ansiosa?

Assim como outras psicopatologias, o diagnóstico da ansiedade é complexo e requer muito estudo do seu quadro clinica, paciência e consultas frequentes ao psiquiatra.

Somente um profissional qualificado pode diagnosticar uma pessoa, portanto se estiver com suspeitas da doença procure ajuda.

Confira quais são os sintomas mentais e físicos característicos da ansiedade.

Sintomas psicológicos:

  • Tensão e nervosismo constantes;
  • Sensação de que algo ruim vai acontecer e medo;
  • Falta de concentração;
  • Preocupação excessiva;
  • Insônia, irritabilidade e inquietação

Sintomas físicos:

  • Dor ou desconforto no peito, coração acelerado;
  • Respiração ofegante ou falta de ar;
  • Sudorese (principalmente mãos e pés);
  • Tremores (principalmente das mãos);
  • Nauseá;
  • Tensão muscular;
  • Dor de barriga ou diarreia.

Agora que já sabemos o que é a ansiedade, vamos entender e descobrir como a meditação pode nos beneficiar.

Benefícios da meditação para pessoas ansiosas

Não é segredo que o assunto em destaque atualmente no mundo é a meditação, junto com o mindfulness e seus benefícios.

Com todos estes destaques para estas duas práticas inúmeros artigos e pesquisas foram sendo realizadas por diversas instituições e universidades renomadas ao redor do mundo.

E uma das pesquisas mais famosa foi realizada por uma universidade dos Estados Unidos chamada “Universidade John Hopkins”, dentre as pesquisas realizadas por eles, observaram que a meditação e o cuidado com a saúde mental pode ser benéfica para aqueles que sofrem de ansiedade, depressão e até algumas dores físicas.

Mas ainda, a meditação não cura nenhuma dor, ela apenas ajuda a reduzir os sintomas negativos.

Já no caso das doenças causadas pela mente, como a ansiedade, a meditação pode ser muito eficaz no tratamento.

Agora você deve estar se perguntando: como a meditação ajuda no tratamento da ansiedade?

A resposta é bem simples

Uma pessoa ansiosa fica se questionando e tentando solucionar problemas futuros, pensando no que pode acontecer depois, quais problemas poderão surgir ou não e como ela irá solucioná-los.

Por outro lado, a meditação traz nossa mente para o agora, o que está acontecendo neste presente.

Na meditação não existe pensar e tentar solucionar problemas futuros, que é justamente o causador da ansiedade.

Os 7 maiores desafios de um iniciante na meditação, como supera-los?

Não é de hoje que você deve ouvir falar da meditação e seus benefícios, não é mesmo?

E mesmo sendo essencial para nossa vida e extremamente benéfica à meditação ainda impõe algumas barreiras para algumas pessoas.

Mas como tudo que é bom não vem fácil, primeiro é preciso entender quais são suas dificuldades na hora de meditar, encarar estes obstáculos e aprender a solucioná-los.

Só assim, depois deste processo você realmente irá incorporar a meditação na sua vida e tornar esta prática algo regular e de extrema importância para você.

Vamos juntos entender quais são as dificuldades mais comuns encontradas por quem está começando a meditar.

1. Falta de tempo

Como lidar com a falta de tempo para meditar

Como lidar com a falta de tempo para meditar

Posso afirmar com toda a certeza que a falta de tempo é o maior obstáculo para quem está começando a meditar.

Vivemos em um mundo louco, onde o tempo não para, muitas vezes às 24 horas do dia se tornam poucas para realizar tantas tarefas e tantos trabalhos.

Mas posso te passar algumas dicas de como você pode meditar durante o dia.

A primeira dica é: utilize seu tempo de espera para meditar.

Ao todo passamos quase 60 minutos por dia esperando, seja na fila para almoçar em um restaurante, no mercado, banco ou então no transporte para ir ao trabalho, às vezes dentro de um ônibus ou dentro de um carro em um engarrafamento.

Percebe que em diversos momentos você está “parado”?

Use isso ao seu favor, a meditação não precisa ser necessariamente sentada, basta você relaxar, e se fazer presente naquele momento.

Perceba como está sua respiração, observe seus movimentos, observe a batida do seu coração, mentalize coisas boas, deseje ter um bom dia de trabalho, uma boa viagem de volta para seu lar, uma noite tranquila de sono.

Segunda dica: pratique a meditação quando estiver com seu animal de estimação.

Reserve um tempo do seu dia para levar seu cachorro no parque, além de ser bom para o seu animal (ajuda a desestressar) pode te ajudar a separar um momento para meditar.

Quando estiver caminhando, observe os pássaros, as árvores, sinta o vento tocar sua pele, respire com calma, aprecie o ar puro, observe seus passos e o caminhar do seu cachorro.

Se você morar próximo a um parque que tenha uma vista bonita, aproveite este momento com seu cachorro e vá meditar. Sente-se no chão e relaxe, observe a paisagem, faça carinho no seu animalzinho.

Mesmo se você tiver um gato e ele não for acostumado a sair com coleira para passear, aproveite os minutos que você brinca com ele, acaricie seu pet, sinta a pelagem do seu animal.

Estes exercícios simples podem ser uma ótima alternativa para você começar a meditar.

A última solução para a falta de tempo para meditar é dizer para você aproveitar alguns momentos do seu dia, ao acordar, depois do café, depois do almoço, depois do jantar, antes de dormir, durante estes períodos sempre sobram alguns minutinhos.

E se sobrar 5 ou 10 minutos que seja, utilize estes minutos para sentar no conforto da sua casa e meditar, a meditação no lugar de uma sonequinha pode ser mais valiosa.

2. Mente muito agitada

Meditação para mentes agitadas

Meditação para mentes agitadas

Já foi explicado em outro post “05 Mitos sobre a Meditação” que é mentira dizer que a meditação ensina a pessoa a manter a mente limpa, sem pensamentos.

O correto é dizer que a meditação nos ensina a ser observadores dos nossos pensamentos, ou seja, olhar com mais clareza para aquilo que temos em mente.

Devido à rotina estressante que vivemos é normal estar com um turbilhão na mente e mais difícil ainda é conseguir relaxar.

Mesmo aqueles que meditam há muito tempo às vezes não conseguem organizar os pensamentos e está tudo bem, o importante é não se frutar e não se deixar abater com isso imaginando que esta fazendo algo de errado.

3. Desconforto físico

Desconforto fisico na meditação

Desconforto físico na meditação

Além deste desconforto mental de estar com um turbilhão de pensamentos, o desconforto físico também pode atrapalhar na hora de meditar.

Algumas pessoas não possuem a flexibilidade necessária para sentar-se em posição de lótus ou apenas de pernas cruzadas normalmente.

Outro desconforto pode ser ao sentar-se em almofadas que não suportam seu peso, com o tempo você vai ficando torto e ficando desconfortável.

A solução para este problema é testando, experimente meditar sentado no sofá, cadeira, cama ou em um banquinho. Alguma posição será boa e você vai conseguir relaxar.

4. Tédio e sono

Tédio e sono na hora de meditar

Tédio e sono na hora de meditar

É tão difícil desacelerar os pensamentos que quando conseguimos fazer isso sentimos aquela sensação de estar na hora de dormir e ai vem o sono.

Ou então quando você desacelera os pensamentos, não sobra muitas coisas para fazer, então também nos resta ficar entediado.

Esses dois fatores, sono e tédio são os principais motivos do abandono da meditação, a pessoa fica tão desmotivada sem saber como lidar com esse relaxamento que acaba taxando a meditação como algo ruim.

A única solução é que você persista, continue meditando, conforme se acostumar com essa desaceleração você irá aprender a sentir seu corpo e como é bom estar vivo!

5. Espera por resultados imediatos

A meditação é um processo e um progresso. Se praticado diariamente e da forma correta, com o tempo você irá aprender a sentir seu corpo e as energias positivas em sua mente.

Não ache que começando a meditar hoje você já vai notar as melhoras e os benefícios da meditação, leva tempo, é preciso ter calma e paciência.

6. Não perceber o progresso

Quando começamos a meditar queremos resultados imediatos, conforme o tempo passa e a nossa prática melhora não percebemos o progresso e os seus benefícios.

É mais fácil outra pessoa perceber nossa evolução e melhora no humor (por exemplo) do que nos mesmos, e é completamente normal que não notemos as mudanças e evoluções, muitas vezes não nos vemos com tanta clareza.

É como se você convivesse com uma pessoa que está de dieta e não percebesse os resultados com tanta clareza igual um conhecido que a vê ocasionalmente.

Portanto, não fique preocupado com as recompensas, se preocupe em fazer corretamente e os resultados virão. Se preocupe com o presente.

7. Estabeleça uma prática regular

Apesar de uma das soluções apresentadas para a falta de tempo seja meditar quando estamos esperando, esta também pode ser uma barreira em alguns casos.

É importante determinar e separar um momento do dia para sentar-se e realmente meditar, se não levarmos a meditação realmente como uma obrigação outras tarefas se tornarão mais importantes e tomarão o tempo desta atividade.

Um dia você deixa de meditar para passar uma roupa, outro dia você deixa de meditar para adiantar um serviço ou trabalho, no outro dia você está exausto e tudo que quer é ler um livro ou assistir algo que goste para relaxar. O tempo vai passar e quando perceber vai fazer 1 mês desde a última vez que você meditou.

Portanto, reserve um momento do seu dia apenas para sentar e realmente meditar, não precisa ser muito, de 5 a 10 minutos é o suficiente para quem está começando, e afinal, é melhor meditar 5 minuto todos os dias do que meditar apenas alguns dias na semana.

Conclusão

A meditação pode até parecer algo difícil no começo, você pode até dizer que pra você não funciona ou que você não serve para isso.

Mas a meditação é para todos e com o método certo, você obterá ótimos resultados em um curto espaço de tempo.

Caso queira aprender a dominar as práticas da meditação e do Minfulness conheça nosso curso. Clique aqui!

 

Qual a diferença entre mindfulness e Meditação?

A meditação nos últimos anos vem se fazendo presente na vida das pessoas e ela nada mais é do que aprender e entender a mente para acalmá-la e acabar com o sofrimento humano.

Existem mais de 500 tipos de meditações, elas variam de acordo com a cultura e tradições espirituais ao redor do mundo.

Se você já é um praticante da meditação ou esta começando suas buscas para aprender esta arte agora, já deve ter se deparado com a palavra “Mindfulness”.

Mindfulness anda lado a lado com a meditação, mas você sabe o que ele significa e quais as diferenças?

Neste artigo sobre meditação e mindfulness, a mais consciente trabalha as diferenças e desmitifica cada uma das práticas para você.

Mindfulness – O que é

Apesar de possuir em suas raízes conceitos da meditação budista (busca pela serenidade) o mindfulness ensina a pessoa a ter foco e atenção.

O mindfulness não controla a mente, ele ensina a pessoa a desenvolver a capacidade de estar focado no momento presente, em outras palavras você desenvolve a consciência. Também é um conjunto de práticas que treinam a pessoa para desenvolver um estado de atenção plena.

O mindfulness é um exercício que pode ser praticado durante todo o dia, afinal ele é o ato de prestar atenção e estar presente de corpo e alma em qualquer local.

Suas diferenças

Três passos básicos diferem o mindfulness da meditação, esses passos são:

  • Não há a utilização de mantras, o mindfulness utiliza o corpo e a respiração;
  • Sua base de formação e aperfeiçoamento é a ciência moderna e suas pesquisas;
  • Utiliza os benefícios das práticas milenares (principalmente o budismo) de forma laica, sem vínculo com religião.

Meditação – o que é

A meditação engloba muito mais coisas que o mindfulness, a meditação busca centralizar suas energias na serenidade e controle da mente do ser humano.

Direciona as energias da pessoa para atrair e mentalizar coisas boas.

A meditação é uma prática que deve ser realizada em um momento reservado apenas para isso, toda a concentração deve estar voltada para as energias desejadas.

Além disso, a meditação utiliza artifícios como mantras, repetições de palavras/frases para potencializar as energias que deseja conquistar.

Afinal, qual escolher e praticar?

É errado dizer que você fazer um ou fazer outro, de modo geral às duas práticas se completam.

Comece refletindo sobre o que você quer melhorar. Atenção plena e constate consciência do presente ou paz interior e controle da mente?

Claro que tanto a meditação quanto o mindfulness tem seus benefícios, mas porque não começa praticando um pouco de cada para ver qual dos dois te agrada mais.

O importante é adotar uma prática que você realmente goste de fazer e se sinta bem em estar realizando.

Para mais informações consulte nossos professores na Mais Consciente, aqui temos profissionais altamente qualificados prontos para lhe instruir e tirar qualquer dúvida.

E ai gostou desse artigo? Caso tenha se interessado a Mais Consciente oferece um curso de meditação e Mindfulness em Recife, um curso prático que dentro de 8 semanas, você vai estar aprendendo a dominar as técnicas da prática.